Ágeis, multifacetados e altamente conectados

Para a geração dos youtubers, programadores e pro gamers o sucesso profissional vai muito além de um cargo na diretoria. Mais importante do que a posição é o caminho até ela. POR Fabiana Nascimento FOTOS Divulgação/Shutterstock

 

Os planos de carreira ofertados pelas empresas, que antigamente nos enchiam os olhos, são considerados obsoletos e até desinteressantes por aqueles que estão ingressando no mercado de trabalho atualmente. O conceito de sucesso da trajetória profissional medido pelos anos em uma mesma instituição não existe mais. Para a Geração Z, os nascidos a partir dos anos 90, longas permanências são encaradas como sinônimo de estagnação. Um grupo autêntico e plural, que cresceu com fones de ouvido e celulares nas mãos, une trabalho e prazer como nenhuma outra geração. São pessoas movidas por desafios e ambições não materiais, o que faz com que um plano de carreira tradicional não seja atraente para elas. Boa parte demonstra um maior senso de justiça, tendência à filantropia e maturidade sobre temas de maior relevância para a sociedade.

FORÇA Z

Uma pesquisa realizada pela Robert Half em parceria com a Enactus estima que, em 2020, essa geração representará 20% da força de trabalho mundial. Mas o que motiva as pessoas a trocarem de emprego tão facilmente mesmo com o índice de desemprego mais alto da história do país? De acordo com Ariane Toubia, psicóloga clínica e professora universitária, este comportamento advém do fato de que esses jovens prezam pela liberdade e satisfação pessoal em detrimento do aspecto financeiro. “O propósito de vida deles gira em torno da possibilidade de unirem prazer, desafios e descobertas do ambiente profissional atrelado a um estilo de vida com maior flexibilidade”, afirma.

No primeiro trimestre de 2017 a taxa de desemprego no Brasil chegou a 13,7%, recorde histórico desde o início do levantamento do IBGE, em 2012.  O número representa 14,2 milhões de pessoas desempregadas, dado que não interfere nas decisões da geração que prefere trabalhar como freelancer ao invés de ter uma carteira assinada. Eles se vêem como profissionais e freelancers permanentes que mergulham de cabeça na sua especialidade, participando de um projeto em que possam contribuir e colher resultados para em seguida buscarem outro desafio, mesmo que não seja no mesmo emprego, aponta o estudo de Robert Half.

AQUI E AGORA

Devido ao fato de nascerem em meio a tecnologia, são capazes de descobrir soluções rapidamente e acompanhar as evoluções mundiais com bastante facilidade. Além disso, são caracterizados como a geração do imediatismo e da ansiedade crônica. Este último aspecto pode atrapalhar um pouco na hora de trocar de emprego e profissão. A impaciência pode acarretar em decisões precipitadas e arrependimentos posteriores, por isso, segundo Ariane, um bom planejamento com análise dos possíveis riscos é fundamental para que o sonho de uma vida profissional satisfatória não se torne um mar de frustrações. Levando em consideração este perfil profissional, é importante que os recrutadores e respectivas empresas também se atualizem quanto a realidade da nova geração: cheios de talento, disponíveis e criativos, a geração Z trabalha trocando conhecimentos e informações, portanto necessitam de feedback constante para que continuem motivados e produtivos no trabalho. “Quanto mais informações sobre as características comportamentais da nova geração as empresas obtiverem, maiores serão as chances de manterem sintonia e equilíbrio no ambiente profissional”, afirma a psicóloga Ariane Toubia. Um aprendizado para os dois lados, que promete uma parceria não duradoura, mas intensa e enriquecedora.

CELEBRITIES QUE MUDARAM RADICALMENTE DE CARREIRA

Além Do TempoPaolla Oliveira: Quem vê a loira atuando logo percebe que ela nasceu para isso. Mas, por incrível que pareça, a atriz tem outra profissão: é formada em fisioterapia e já exerceu bastante o ofício.

size_960_16_9_brad-pitt3Brad Pitt: O galã já trabalhou como motorista de limousines levando strippers para festas de despedida de solteiro. Ele também já contou que trabalhava vestido de frango gigante fazendo propaganda na porta de um restaurante. Dá pra acreditar?

claudinha-4Cláudia Leitte: A diva do axé cursou três faculdades, inclusive a de Comunicação Social. Até 2002 ela era repórter e teve oportunidade de se mostrar para o mundo ao entrevistar Ivete Sangalo no trio elétrico do Band Folia 2002. Não é difícil encontrar na internet o vídeo da época que mostra Claudia Leitte tirando o microfone da mão de Ivete para cantar durante a entrevista.

alexander-hassensteinPatrick Dempsey: O astro da série Gray’s Anatomy era malabarista profissional durante a juventude. O ator mandava tão bem que chegou a competir em vários campeonatos da arte circense! Quem diria?

Fabiana Nascimento

Fabiana Nascimento

Chocolover amante da natureza e da música. Escrever me traz liberdade.
Fabiana Nascimento

Últimos posts por Fabiana Nascimento (exibir todos)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *