O acúmulo de funções é apontado como um dos principais fatores de estresse entre as mulheres

Inteligência Emocional ajuda no momento de mudar o rumo da vida profissional e pessoal quando as coisas não vão bem e a saúde começa a ser afetada

De acordo com o estudo encomendado pelo grupo londrino, Group Savoy Stewart, as mulheres sofrem mais estresse relacionado ao trabalho do que os homens. Entre 2016 e 2017, houve 1.880 casos de estresse feminino relacionado ao trabalho para cada 100 mil trabalhadoras, número 60% superior ao registrado entre os homens, que ficou em 1.170 casos em cada 100 mil. A pesquisa aponta, ainda, que mulheres com idade entre 35 e 44 anos apresentaram as maiores taxas de estresse relacionado ao trabalho, isto porque nessa idade as mulheres têm maior probabilidade de acumular funções familiares e profissionais.

Com a presença cada vez mais forte da mulher no mercado de trabalho é natural que o estresse decorrente da sua atividade profissional seja maior também. No entanto, para além do escritório, as mulheres sofrem com a dupla jornada, ou seja, responsabilidades profissionais e domésticas acumuladas. Tanto assim, que a última pesquisa divulgada, em março de 2017, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação pública federal vinculada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, em parceria com a Onu Mulheres, apontou que as mulheres trabalham em média 7,5 horas a mais que os homens por semana. A pesquisa demonstra, ainda, que mais de 90% das mulheres entrevistadas declararam realizar atividades domésticas.

“Situações como essas são sofridas e até mesmo torturantes. E, para mudá-las, é preciso lembrar que não há mudança sem movimento e, para que as coisas comecem a acontecer do jeito que se espera, mudar atitudes e comportamentos são passos importantes. Para tanto, cursos de autoconhecimento, com foco no ambiente corporativo e pessoal, podem ser importantes aliados”, diz Alexandre Bortoletto, trainer e master practitioner da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL).

Foco na formulação dos objetivos
Para o especialista, é preciso formular objetivos corretamente para conseguir enfrentar o mundo e superar as dificuldades. Para tanto, o primeiro passo é identificar o que, de fato, se deseja (ter mais tempo, ajuda com os afazeres domésticos, um trabalho com horário mais flexível etc). Uma vez identificado o seu propósito, é hora de correr atrás. “Imaginar opções reais e não ilusórias já é um bom caminho, ou seja, ao invés de ter pensamentos condicionantes – como, por exemplo, Se eu pudesse… Se eu tivesse… – é preciso pensar: hoje, na condição na qual se está, o que é possível fazer? Outro recurso é imaginar como você ficará quando atingir o resultado: mais feliz, tranquila, poderá ter mais tempo para você, etc”, afirma.

Identifique seus aliados
Saber com quem se pode contar também é fundamental. “Nada adianta sabermos onde queremos chegar, se não temos bem claro quem são as nossas pessoas parceiras”, comenta. Da mesma forma, identificar aqueles que te atrapalham a conquistar seus objetivos, é fundamental, “fazer uma avaliação no seu ambiente, seja entre colegas de trabalho ou os amigos, é preciso. Algumas pessoas “nos puxam para baixo”, fazendo fofoca, por exemplo, ou nos fazendo crer que não somos capazes. Tire essas companhias da sua lista de ‘aliados'”, alerta Alexandre.

O que está atrapalhando?
Fazer uma autoanálise é extremamente importante para identificar o porque você está ficando estressada e não está conseguindo “virar o jogo”. Segundo o especialista, muitas vezes o problema começa em nós mesmos. “É preciso desenvolver estados emocionais positivos”, como paciência, determinação, fé em si mesmo, alegria, entre outros. “Por exemplo, se o problema é o excesso de agitação, é preciso aprender a relaxar”, diz.

“Na PNL, entendemos que o mapa corresponde aos pensamentos, assim, é por meio deles que navegamos pelo universo. Quando mudamos esse mapa, por um mais positivo, fica bem mais tranquilo trafegar pelo território, ou seja, pela vida”, explica.

Capacidade de se posicionar
Não conseguir externar seus sentimentos, pode ter consequências gravíssimas. “Muitas vezes, as mulheres são ativas e desinibidas no trabalho, mas em casa não conseguem dizer “não”. Outras são bastante falantes e proativas em casa ou com os amigos, mas no trabalho não conseguem se colocar”, diz. Nesses casos, o especialista diz que é preciso fazer a transferência, “procurar pensar no como você se sente quando se comunica positivamente com os familiares, por exemplo, e trazer isso para o seu ambiente de trabalho”, finaliza.

E aí, vamos juntar mudar a vida?

Créditos: NA Comunicação e Marketing.

Isabelle Francine

Isabelle Francine

Vivendo o sonho de ser jornalista, sempre acreditei nas palavras como força transformadora do mundo. O objetivo será, a todo momento, entregar-lhe o melhor de mim, do que sinto e do que aprendo em forma de texto.
Isabelle Francine

Últimos posts por Isabelle Francine (exibir todos)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *